quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Crer no seu desempenho

Este vídeo foi produzido por Kurt Browning um dos patinadores artíticos mais renomados do Canadá. Além de ser 4 vezes campeão mundial, Kurt foi o primeiro patinador a realizar um salto quadruplo. No vídeo ele fala da importância de compartilhar o peso da competição com alguém (por exemplo um psicólogo do esporte) e de acreditar na qualidade do trabalho realizado antes do evento.
Aproveitem.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Quais as lições do último lugar? DIA 12

Selecionei manchetes de dois dias seguidos. Ambas reportagens retratam o desempenho da equipe brasileira de Bosled feminino nos jogos de Sochi. Na primeira (esquerda), o repórter ironiza a participação das mesmas enfatizando a celebração da penúltima colocação com um ponto de exclamação. No dia seguinte(abaixo), o mesmo site compara o bobsled brasileiro com a patinação de velocidade holandesa.  
Começando com a segunda matéria. Alguns fatos sobre tal comparação. Primeiro, a Holanda é o único país do mundo que possui equipes profissionais de patinação de velocidade. Eles não so venceram o maior número de medalhas em patinação de velocidade em Sochi, como estão batendo todas os recordes de medalhas na modalidade em uma única edição. Normalmente há duas varridas de pódio, isto é, quando atletas de um só país conquistam todas as medalhas. Entretanto nesta edição, já houveram 4 varridas da Holanda apenas na patinação de velocidade de pista longa. Segundo, Sven Kramer, o atleta holandes é 6 vezes campeão mundial, bicampeão olímpico da prova de 5.000 e só perdeu a prova de 10.000 em Vancouver 2010 por causa de um erro do seu treinador que indicou a linha errada. Mas o que isso nos ensina? Bem, metas são pessoais e estabelecidas de acordo com a capacidade de cada um de atingimento. Se você é um dos favoritos a expectativa de vencer é enorme e a frustração de não vencer também.
 
Voltando para a primeira reportagem aqui, pude tirar proveito do que foi dito pelas atletas. Apesar do repórter (e 90% das pessoas que comentaram) desconsiderar(em) a relevância da performance brasileira, as atletas mencionaram duas estratégias consagradas de qualquer treinamento de habilidades psicológicas, o estabelecimento de metas e a retomada de foco. A teoria diz que as metas devem ser focadas em processo e não apenas em resultados. Entretanto caso sejam em resultados, as mesmas tem que ser realistas e atingíveis. Nem todos concordam, mas para o bobsled brasileiro, participar dos jogos olímpicos já é por si só uma conquista. Vamos mais além. Observem o comentário da atleta: 

"A gente está aqui pra competir. Queríamos fazer em menos de 1min00s e conseguimos fazer isso [em cada descida]. Batemos a Coreia, que era uma meta nossa, que a gente queria bater. Fizemos uma descida limpa, boa. Amanhã (quarta) é melhorar esse resultado que a gente fez hoje", afirmou Sally Mayara após a performance do dia.

Diversas metas que foram atingidas. Descida limpa ou sem erros - meta de processo. Descer em menos de 1min - meta que mistura resultado e processo. Finalmente, bater a Coreia, essa sim meta de resultado. O reestabelecimento de foco ficou claro na segunda fala da atleta.

"Com certeza. Nós tivemos um probleminha no último treino. Foco total para hoje, e graças a Deus nós conseguimos fazer um bom push, uma boa descida, e uma somatória de tempos satisfatória. Vamos para amanhã"

Probleminha no último treino?!?! (elas tiveram um acidente em que tombaram o trenó!) Que resposta fantástica! Em uma situação como essas remoer o passado e valorizar o acidente só serveria para aumentar a ansiedade (somática e cognitive) de descer de uma pista de gelo a 120km/hr para competir novamente. Mudança total de foco no que pode presente e controlável. A atleta ainda divide a prova em processos, um bom push + uma boa descida = somatório de tempos satisfatório.

Para finalizar, o bosled é a Formula 1 dos jogos olímpicos de inverno e os trenós, bem como os bólidos da F1, são produtos de anos de pesquisa e muitos dólares de investimento. Portanto, será que alguém que chega tão atrás tem realmente algo a comemorar?!?! Ou aprender?!?! Será que esta pessoa tem futuro no esporte?!

Confira esta matéria curta de 2002 e tire suas próprias conclusões.
 
Webber foge da última fila e comemora
Sábado, 30 Março de 2002, 16h53


São Paulo – O australiano Mark Webber, da Minardi, vibrou após ter escapado de ficar na última fila. Ele conseguiu o 20º posto na sessão de classificação deste sábado deixando o brasileiro Enrique Bernoldi, da Arrows, em penúltimo lugar. “Foi um bom treino e os mecânicos fizeram um grande trabalho. Poderia te ter tirado um pouco mais do carro, mas fiquei feliz com minha melhor volta nesta tarde. Estamos fazendo progresso. Ficamos mais perto dos tempos dos dez primeiros colocados.”

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Esqui estilo livre. DIA 9


Durante a apresentação do atleta canadense de esqui estilo livre (moguls) Mikaël Kingsbury, o comentarista afirmou que Mikaël era tão forte mentalmente que não utilizava um psicólogo do esporte. A princípio achei que esse comentário era ruim para quem trabalha com psicologia do esporte, afinal outros atletas poderiam seguir o exemplo de Mikaël. Mas com um pouco de reflexão percebi a GRANDE diferença entre as realidades brasileira e canadense. Enquanto no Brasil o trabalho do psicólogo é pouco lembrado e muitas vezes ainda é visto como um apagador de incêndios, aqui no Canadá o trabalho é tão reconhecido que o estranho é quando um atleta de alto desempenho não utiliza desse tipo de serviço.

Detalhe: o psicólogo do esporte do time de aerial do Canada é o Wayne Halliwell da postagem do DIA 1.

Esse vídeo conta um pouquinho da estória do Mikaël


O vídeo seguinte é uma entrevistapara a CBC do Alex Billadou (ouro) e Mikaël Kingsbury (prata) onde eles descrevem as descidas. Interessante perceber como Alex revela quais suas palavras-chave antes e depois de iniciar a descida. "Soft and tight." Suave e junto. Isso porque nessa modalidade o esquiador tem que descer suavemente e apresentar pouca movimentação na parte de cima do corpo  e ao mesmo tempo as pernas tem que permanecerem o mais próximas possíveis. O posicionamento das pernas são tão importantes que há cores diferentes nos joelhos para que os juízes possam perceber qualquer variação.


Especialização em Psicologia do Esporte e da Atividade Física

Curso em Psicologia do Esporte e da Atividade Física*

Código: 
4478
Especialização
Objetivos:

- Apresentar aos profissionais interessados na área, temas abrangentes que tem como contexto institucional: clubes e associações esportivas; escolas e academias de ginástica; assessorias esportivas; grupos independentes de práticas esportivas (educacionais, recreativas, entre outros); projetos sociais; bem como hospitais e clínicas de reabilitação.
- Formar profissionais capazes de analisar e produzir conhecimento e práticas interventivas em Psicologia do Esporte e da Atividade Física, a partir de suas especificidades, observando as interfaces com as outras áreas envolvidas.
*Este curso foi credenciado no Conselho Federal de Psicologia em 31 de janeiro de 2003 para Especialização em Psicologia do Esporte, em conformidade com a Resolução CFP 013/07.
Obs: O curso possibilita a concessão do Título de Especialista (CFP) na área somente aos Psicólogos que completarem os 02 anos de curso.
Corpo docente:

Luciana Ferreira Angelo, Marina Penteado Gusson, Marisa Markunas, José Aníbal de Azevedo Marques, Simone Meyer Sanches e professores convidados.
Conteúdo Programático:

 - Introdução à Psicologia do Esporte e da Atividade Física;
 - História da Educação Física e do Esporte;
 - Psicologia do Esporte e Educação Física Escolar;
 - Princípios do Treinamento Esportivo em Longo Prazo;
 - Psicologia do Esporte em Projetos Sociais;
 - Psicopatologias, reabilitação e transtornos emocionais no esporte;
 - Teoria e dinâmica de grupos esportivos;
 - Estratégias de preparação e treinamento mental para o atleta;
 - Psicodiagnóstico e medidas de avaliação em Psicologia do Esporte;
 - Metodologia científica aplicada à Psicologia do Esporte;
 - Ética do contexto esportivo;
 - Psicologia da Reabilitação em Populações Especiais;
 - Psicofisiologia;
 - Psicologia do Esporte nas práticas de tempo livre;
 - Estratégias de intervenção em Psicologia do Esporte.
Destinado a:

Psicólogos, educadores físicos, técnicos esportivos, fisioterapeutas, nutricionistas, médicos e demais profissionais da área esportiva com formação universitária.

Duração / Horário



Duração:

Atualização - certificado em  “Atualização em Psicologia do Esporte e da Atividade Física”- 01 ano (2014) – Aulas quinzenais divididas em 02 módulos. Total de 229h, divididas em 162h/aula, 27h/supervisão e 40h de visita às instituições parceiras.
Especialização - certificado em  “Especialização em Psicologia do Esporte e da Atividade Física”– 02 anos (2014 e 2015) - O curso será constituído pelo primeiro ano nos moldes descritos acima (juntamente com a turma de Atualização). No segundo ano, as disciplinas serão divididas em 02 módulos de caráter prático, com a inclusão das horas de Atividade Prática Profissional, Supervisão destas atividades, Orientação de Monografia e Seminário de apresentação das monografias. Carga horária total de 519 h, divididas em 399 horas teóricas (306h/aula, 54h/supervisão, 27h/orientação de monografia e 12h de Seminário) e 120h de Atividade Prática Profissional.
Horário:

Atualização – 01 ano (2014) As aulas serão quinzenais de março a dezembro (com algumas exceções em decorrência de feriados) e com recesso no período da Copa do Mundo. Horário: sextas-feiras das 18h00 às 22h00 e sábados das 08h00 às 13h00.  Haverá também carga horária prática para visita a instituições (40h) e Supervisões (27h).
Especialização – 02 anos (2014 e 2015) Primeiro ano, conforme descrito acima. No segundo ano, as aulas serão quinzenais de janeiro a novembro (com algumas exceções em decorrência de feriados) e com recesso no mês de julho. Horário: sextas-feiras das 18h00 às 22h00 e sábados das 08h00 às 13h00. Inclusão de carga horária para as Atividades Práticas Profissionais (no mínimo 80h), Orientação de monografia (27h), Supervisão (27h) e Seminário de apresentação das Monografias (12h).
As Supervisões acontecerão uma vez ao mês com 3 horas de duração a partir de Abril de 2014 até dezembro de 2014; e com 2h por mês de fevereiro a novembro de 2015 (exceto nos meses de recesso). E a Orientação de Monografia será de 3h, uma vez ao mês, a partir de fevereiro a outubro de 2015.

Informações para Inscrições


Nº vagas: 36 (trinta e seis).
Inscrição até: 21 de fevereiro de 2014.
Processo seletivo para inscritos até o dia 31/01/2014: Será dividida nas seguintes fases: Análise do CV, Dinâmica de Grupo e Redação (03/02/2014), Entrevista Individual (04 e 05/02/2014). Todas as fases serão eliminatórias.
Processo seletivo para inscritos a partir do dia 01/02/2014dias 24 e 25 de fevereiro, segunda e terça, da seguinte forma: 24/02 - 18:00 - dinâmica de grupo e redação. Nesse momento, será agendado entre professores e o candidato uma entrevista individual que poderá ocorrer após a dinâmica no próprio dia 24, ou no dia 25, a partir das 08:00.
Publicação dos resultados para inscritos até o dia 31/01/2014: 14 de fevereiro de 2014, às 14h00.
Publicação dos resultados para inscritos a partir do dia 01/02/2014: 28 de fevereiro de 2014, às 14h00.
Início do ano letivo: 14 de março de 2014.
Anuidade de 2014: matrícula - R$ 650,00 mais 10 parcelas de R$ 650,00.
Inscrição: 80,00 (oitenta reais)
Documentos necessários e outras informações para inscrição, clique aqui...

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Atletas e a dor. DIA 4

Video sobre a dor no esporte as "explicações" mais estudas pela ciência.

Shani Davis. DIA 5

video

Em dezembro uma reporter entrevistou Shani Davis atleta americano da patinação de velocidade. Na época ele poderia se tornar o recordista americano com 3 medalhas em 3 edições consecutivas dos jogos. Ao perguntar sobre o peso que isso teria durante as Olimpiadas ele respondeu: "Eu não permito que isso pese em mim. Eu simplesmente irei lá e farei o meu melhor. Se eu for o melhor naquele dia, eu ficareibem feliz em trazer uma medalha para minha casa e adicionar a minha coleção. Eu tentar o meu melhor e isso é o melhor que eu posso fazer." 
Resposta fantastica!
Do ponto de vista da psicologia do esporte, inúmeros estudos mostram a importância de metas que foquem o processo e não o resultado.

Apesar de não conseguir uma medalha na prova dos 1000 metros o norte americano já foca na próxima prova, a de revezamento. 

Mais informações sobre o americano aqui.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Essa vai entrar pra História das Olímpiadas de Sochi. DIA 5

O patinador de velocidade canadense Gilmore Junio teve uma atitude inesperada. Ele desistiu de competir na prova dos 1000 metros por achar que um companheiro de equipe estaria melhor preparado. Na carta enviada a imprensa Gilmore Junio afirma:
 “Representar o Canadá em uma Olímpiada é uma grande honra e privilégio, mas eu acredito que como canadenses, nós não estamos aqui só para competir. Nós estamos aqui para ganhar. Denny tem provado ser consistente e ser uma possibilidade de medalhas real”.

Denny Morrison o patinador que herdou a vaga na competição tinha falhado nas seletivas canadenses por ter caído nos últimos 50 metros. Porém Denny é o sexto do ranking mundial nessa distância. Gilmore é o 41 do ranking. Como Morrison havia se classificado para os 1500 metros e para o revesamento, ele está em Sochi e pode pegar a vaga. Já Gilmore competiu nos 500 metros e não mais competirá nesses jogos de inverno.

Por si só esta estória já é histórica! Mas não é que a cereja do bolo veio com uma cor prateada! Isso mesmo, Denny Morrison conquistou a medalha de prata nos 1000 metros. O Canadá inteiro só fala nessa conquista! Já há até uma campanha no Twitter para que Gilmore seja o porta bandeira na cerimônia de encerramento.

Mas notícias sobre essa incrível estória aqui e aqui.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Visualização no esqui alpino. Dia 3

video
Muitos imaginam a visualização como uma atividade que deve ser feita de olhos fechados ou as vezes antes de dormir. Pois bem, o objetivo desse video era de mostrar como esta estrategia mental pode ser utilizada em diversos contextos.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Foco após uma queda - DIA 2

A postagem do segundo dia é uma homenagem aos medalhistas de prata da patinação artística por equipe. Esta é a primeira edição dos jogos olímpicos que patinadores participam por equipes. Belo debut para a equipe canadense.

Este vídeo foi feito por um medalhista olímpico e comentarista de patinação artística canadense. Vale muito a pena conferir!


Medalha de Ouro no Moguls - DIA 1

Psicólogo do esporte canadense Wayne Halliwell ao lado da atleta canadense Justine Dufour-Lapointe aguardando a nota que lhe deu a medalha de ouro no Moguls feminino.

Este video mostra Wayne falando sobre habilidades psicologicas no esporte.



Uma das dicas que Wayne da é focar no momento o que nos remete a postagem sobre a tatuagem do Mark McMorris aqui.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Jogos de Inverno - DIA 1

Ontém o Canadá ficou acordado até de madrugada para assistir o debut do Slopestyle snowboard um esporte que tem proporções gigantescas no X Games ou Jogos Extremos produzidos pela ESPN.
O país inteiro fala dessa estreia, mas não por acaso, um dos favoritos é Mark McMorris, um jovem de 20 anos que tem arrepiado nas pistas de todo o mundo, derrotando lendas do snowboard como o americano Shaw White.

Entre tantas imagens, escolhi essa da tatuagem de Mark, pois tem um significado muito importante para quemtrabaha com psicologia do esporte que é "viver para o momento". Ou seja, focar no agora e não no futuro nem no passado, as quedas da tentativa passada não mais importam, nem os louros da vitória, o que importa é o agora!


O documentário foi dividido em 5 partes.
Aproveitem este documentário que foi super bem feito.











quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Matéria com uma líder em Psicologia do Esporte Canadense

Matéria muito bem feita sobre o trabalho de biofeedback realizado pela Dr. Penny Werthner, ex-professora da Universidade de Ottawa e considerada umas das 50 mulheres mais influentes do esporte Canadense em 2010. Particularmente esse trecho abaixo foi o que mais gostei:

"O que eu disse ao Manny (atleta canadense) foi que a preparação física e tática são as primeiras em qualquer esporte. Se você não as faz, não importa mais nada do que você fizer" disse Werthner, "mas se você fizer isso (as preparações téctinas e físicas) e manter-se saudável, então como você controla a si mesmo nos dias de competição é o que realmente separa os vencedores dos perdedores."

Aproveitem a leitura completa do artigo em inglês.

Osborne-Paradis counting on mind over matter to reach the podium in Sochi

CALGARY — The Globe and Mail

Manny Osborne-Paradis, right, doing mental strength trainng with Dr. Penny Werthner, Dean of Kinesiology at the University of Calgary. (Larry MacDougal For The Globe and Mail)

Manny’s brain waves are dancing in Technicolor. They are bars on a computer screen being read by one of the many electrodes attached to his head, shoulders and various fingers on his left and right hand. It is a red, blue, green, yellow, orange-coded signal that Manuel Osborne-Paradis is ready to race.
But not on skis. Not on a mountainside where the B.C.-born downhiller has won three World Cup alpine events.
At this moment, in room B261 of the University of Calgary kinesiology department, Osborne-Paradis is reclining in an easy chair preparing to race a sailboat – with his mind.
It’s pretty simple, or at least seems that way. As long as Osborne-Paradis concentrates on his yellow sailboat, his brain activity makes it move. As soon as he has a lapse in attentiveness, or lets some speeding thought cut across his bow, his boat stops and a rival one moves – in this case, the purple boat that begins to make a charge. Osborne-Paradis stares at the screen as his boat begins to pull away cleanly.
“He couldn’t have done that three or four weeks ago,” Penny Werthner, the U of C’s dean of kinesiology, says in admiration.
This is how it is for Osborne-Paradis as he engages in another countdown to another Olympics: He is leaving no stone or computer chip unturned in his quest to be the best come the 2014 Sochi Winter Games.
Physically, he is fine. He has recovered from the 2011 crash in Chamonix, France, that broke his left leg, tore up his left knee and cost him almost two seasons. Therapy and conditioning have brought him to a level where, at 29, he is near the peak of health.
But to get better and improve on his racing, Osborne-Paradis decided there were other things he could do, such as hone his mental edges. That pursuit took him to Werthner, a sports psychologist and former Olympic runner, whose biofeedback and neurofeedback sessions help athletes learn how to calm themselves so they can let their physical training take over and compete efficiently.
Werthner has worked with dozens of athletes, including curler Cheryl Bernard and moguls skier Alexandre Bilodeau, who won silver and gold, respectively, at the 2010 Vancouver Olympics, along with other medal winners from the 2012 London Summer Games.
Much of what Werthner heard from athletes was how they were too anxious, too overwhelmed before a major competition. They had spent so much energy worrying about an Olympics they were exhausted before they got there.
Werthner’s work is about “enabling the athletes to learn how to self-regulate themselves both physiologically and neurologically. It’s like training the brain the way you train the muscles in the body. Manny has been really open-minded about this, and good to work with.”
Osborne-Paradis was keen to reset himself after the Vancouver Games. Considering how well he had done in 2009, winning three World Cup races and finishing third in another, considering the Olympic downhill was being staged on his home mountain, Osborne-Paradis was elevated by fans and media to sure medal status. His Canadian teammates experienced similar expectations. They didn’t live up to them; Osborne-Paradis finished a disappointing 17th in the downhill.
Then came the leg-wrecking crash in France followed by a silly incident during the 2011 Calgary Stampede, where Manny, being good-time Manny, tried to hitch a ride on the back of a party bus, only to be dragged almost 80 metres. That put him in a hospital with a bad case of road rash. It was time to rethink things.
“Part of my M.O. is to be the fun-loving guy, but as you get older you don’t have the energy to be that guy all the time. I’m not 20 any more,” he says.
The measure of his physical comeback came this past March in Kvitfjell, Norway, where Osborne-Paradis turned in a resounding fourth-place showing. For the 2013-14 Olympic buildup, he vowed to explore every option, renting a private lane on a Whistler ski run for three days for himself and coach Stefan Guay.
There was also an early trip to Switzerland so he could train in the Alps with the French national team. That was before he headed to France to attend a training camp with his Canadian teammates.
It was enough for Martin Rufener, Alpine Canada’s new head coach, to remark recently: “You can just tell that his mental focus and mental strength is there and that’s important.”
Alpine Canada knew of Werthner’s skill in dealing with world-class athletes and asked to be part of her program. Osborne-Paradis was keen to see what could be done. The idea, he was told, was to train his mind so he could “stay in the moment” for two minutes, the average length of a men’s downhill.
The first few hour-long sessions didn’t seem to accomplish much. During the tests, sensors monitor his heart rate, its variability, his peripheral body temperature and his skin conductance, how much he sweats, a sign Osborne-Paradis is engaged both physiologically and psychologically.
Eventually, Osborne-Paradis learned how to co-ordinate his breathing, how to relax his muscles to keep them from getting too tense – and also how to crystallize his thoughts. Seeing the results on a computer screen has given him the tools and confidence he will carry over to the mountains.
“The game with the sailboats, you think about something else, your boat stops and another sailboat moves. The other boat is another part of your brain and you have to regain your composure,” he explains. “It’s like in a race, where there’s music playing [over loudspeakers]. You hear athletes say later that they never heard any music because they were so into their race, in the zone. You need that in skiing. It’s about not getting too overzealous in what’s going on until you’re at the finish.
“You have to learn where to go in your head.”
Osborne-Paradis’s head is a comfortable place for him to be, although the work continues. Before leaving for Sochi, he and Werthner hope to have another four or five sessions. The next step will be having Osborne-Paradis visualize the course in Sochi’s Rosa Khutor alpine resort and racing it in his mind.
“What I told Manny was that physical preparation and technical preparation is No. 1 in any sport. If you don’t do that it doesn’t matter what else you do,” Werthner says. “But then if you do that and stay healthy, then how you can manage yourself on competition day is really what separates the people who win and the people who don’t win.”
In room B261, the testing continues. Osborne-Paradis is instructed on-screen to “let the puppet stand as tall as possible.” An animated puppet is shown squatting until Manny wills it to stand up.
Another exercise: “Let the light bulb glow warmly.’ A light-bulb image appears and soon glows warmly. Manny stares at the computer. He is in the moment, yet on his way to Sochi.

http://m.theglobeandmail.com/sports/olympics/osborne-paradis-counting-on-mind-over-matter-to-reach-the-podium-sochi/article16424693/?service=mobile

Original source
 

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Sochi 2014 - Team Canada



Campanha emocionante do Comite Paraolimpico Canadense!

 
Media Release

#WHATSTHERE
#CEQUIESTLA

CANADIAN PARALYMPIC COMMITTEE LAUNCHES SOCHI 2014 CAMPAIGN TO BUILD HYPE AROUND GAMES

OTTAWA, February 4, 2014 - With the Sochi Paralympic Winter Games on the horizon, Canadian sports fans are being treated to a provocative new Paralympic marketing campaign that compels viewers to look past the disabilities of Paralympic athletes - and instead fathom their complete, elite, world-class abilities.

It's not what's missing, it's what's there.

Bold, formidable, energetic. Cross country skier and biathlete Mark Arendz tears up the trails with one arm. Snowboarder Michelle Salt carves the mountain using a prosthetic leg. And sledge hockey players Tyler McGregor and Dominic Larocque, who lost a leg in Afghanistan, dig deep for Team Canada with intensity and pride.

The TV campaign is conceived and produced by BBDO Toronto.

Campaign elements can be viewed and shared on the Paralympic.ca website,YouTube ChannelTwitter andFacebook.

Broadcasters can access the high resolution PSA spots by emailing marketing@paralympic.ca.

"This campaign is an awesome opportunity to increase awareness and demonstrate what we as Paralympic athletes are capable of," said cross country skier and biathlete Mark Arendz. "I'm so proud to be a part of this project and I hope it will inspire Canadians to follow Team Canada and cheer for us when we compete in Sochi next month."

The Sochi 2014 Paralympic Winter Games will be held March 7 to 16. Canada will compete in all six sports on the program: para-snowboard, para-alpine skiing, para-Nordic skiing, biathlon, sledge hockey and wheelchair curling.

The campaign also features print and digital ads that features household names and up and coming athletes. Sample print ads can be downloaded at paralympic.ca/multimedia.

Fourteen featured athletes in the "What's There" print campaign include para-snowboarders Michelle Salt (Calgary, Alta.) and Tyler Mosher (Whistler, B.C.); sledge hockey players Dominic Larocque (Quebec City, Que.) and Tyler McGregor (Forest, Ont.); para-alpine skiers Josh Dueck (Kimberley, B.C.) and Kimberly Joines (Rossland, B.C.); para-Nordic skiers Mark Arendz (Hartsville, P.E.I.), Brian McKeever (Canmore, Alta.) and guideErik Carleton (Canmore, Alta.); and Team Canada's wheelchair curling team of Sonja Gaudet (Vernon, B.C., Ina Forrest (Armstrong, B.C.), Jim Armstrong (Cambridge, Ont.), Dennis Thiessen (Sanford, Man.) and Mark Ideson (London, Ont.).

"When we look at Paralympic athletes, we can make the mistake of focusing on their disabilities, instead of their extraordinary abilities," said Simon Craig and JP Gravina, Associate Creative Directors, BBDO Toronto. "This campaign forces the viewer to see all the amazing things that make these Paralympic athletes great. To catch them in the midst of competition is an awe-inspiring experience by any definition."

The campaign shows the athletes' strength in a unique way. Using a letterbox effect, the video focuses on only a select portion of each athlete at first. It only reveals their full identities at the very end of each scene, proof to the viewer that a Paralympian can be every bit as impactful in performance as an able-bodied athlete.

The line, "It's not what's missing, it's what's there" describes the need to look past physical differences to concentrate instead on the hard work and raw talent that these dedicated athletes bring to their sport.

"The goal is to get Canadians on the edge of their seats and excited about the upcoming Paralympic Games," said Martin Richard, Executive Director, Communications & Marketing for the Canadian Paralympic Committee. "Seeing these athletes compete at the level they do will get you hooked and we are thrilled to bring back the Paralympic excitement to Canadians with unprecedented coverage through our media consortium partners."

With a goal of placing in the top three nations in the gold medal count, Canada will send approximately 50 athletes to compete in sledge hockey, wheelchair curling, para-Nordic skiing, biathlon, para-alpine skiing and para-snowboard.
Nomination to the Canadian Paralympic Team is ongoing. The full team will be officially unveiled at the end of February.

WATCH: 
With 100 days to go to the Sochi 2014 Paralympic Winter Games, the Canadian Paralympic Committee (CPC) unveiled an unprecedented, fully accessible broadcast and electronic media plans for the most comprehensive coverage ever offered in Canada for a Paralympic Games - more than 65 hours of broadcast, up to 350 hours of digital streaming, and rights free news access highlights connecting Canadians via multi platforms. CPC will lead the Paralympic Broadcast Consortium partners in creating coverage on five broadcast/digital platforms: CBC/Radio-Canada, Sportsnet, Accessible Media Inc. (AMI), Yahoo Sports Canada and SendtoNews.

Photo Credits:
Canadian Paralympic Committee/Matthew Murnaghan

About BBDO

BBDO manages the communication needs of some of Canada's largest and best-known brands. BBDO Canada is a subsidiary of BBDO Worldwide, which is part of Omnicom Group Inc. (NYSE: OMC) (www.omnicomgroup.com), a leading global advertising, marketing and corporate communications company.

About the Canadian Paralympic Committee

The Canadian Paralympic Committee is a non-profit, private organization with 25 member sports organizations dedicated to strengthening the Paralympic Movement. The Canadian Paralympic Committee's vision is to be the world's leading Paralympic nation. Its mission is to lead the development of a sustainable Paralympic sport system in Canada to enable athletes to reach the podium at the Paralympic Games. By supporting Canadian high performance athletes with a disability and promoting their success, the Canadian Paralympic Committee inspires all Canadians with a disability to get involved in sport through programs delivered by its member organizations. For more information, visitwww.paralympic.ca

-30-

For more information, please contact:

Alison Korn
Manager, Media Relations and Communications
Canadian Paralympic Committee
Phone: 613-569-4333 ext. 243
Cell: 613-298-4927
akorn@paralympic.ca

Martin Richard
Executive Director, Communications and Marketing
Canadian Paralympic Committee
Tel: 613-569-4333 ext. 224
Cell: 613-725-4339
mrichard@paralympic.ca
Communiqué de presse


#CEQUIESTLA
#WHATSTHERE

LE COMITÉ PARALYMPIQUE CANADIEN LANCE LA CAMPAGNE PROMOTIONNELLE AFIN DE BÂTIR DE L'EXCITATION ENVERS LES JEUX DE SOTCHI 2014

OTTAWA, le 4 février 2014 - Avec les Jeux paralympiques d'hiver de Sotchi en vue, les amateurs de sports canadiens ont droit à une nouvelle campagne de marketing provocatrice qui force les auditeurs à voir au-delà des handicaps des athlètes paralympiques - et, à la place, à comprendre leurs capacités complètes, d'élite et de niveau mondial.

Ce qui manque n'a aucune importance.


Courageux, formidable, énergique. Le skieur de fond et biathlète Mark Arendz fend les pistes avec un bras. La planchiste Michelle Salt découpe les montagnes en utilisant une prothèse d'une jambe. Et les joueur de hockey sur luge Tyler McGregor et Dominic Larocque, qui a perdu une jambe en Afghanistan, se donnent à fond pour Équipe Canada avec intensité et fierté.

La campagne télévisée est conçue et produite par BBDO Toronto. 



Les éléments de la campagne peuvent être vus et partagés au site web Paralympique.ca, sur YouTube, sur Twitter et sur Facebook.

Les télédiffuseurs peuvent télécharger les annonces de MIP en haute résolution en envoyant un courriel à marketing@paralympic.ca.

«Cette campagne est une occasion fantastique d'améliorer la sensibilisation et de démontrer ce dont nous, en tant qu'athlètes paralympiques, sommes capables, » a dit le skieur de fond et biathlète Mark Arendz. Je suis très fier de faire partie de ce projet et j'espère qu'il inspirera les Canadiens à suivre Équipe Canada et à nous encourager quand nous concourrons à Sotchi le mois prochain.»

Les Jeux paralympiques de Sotchi 2014 auront lieu du 7 au 16 mars. Le Canada participera aux six sports au programme: para-snowboard, ski para-alpin, ski para-nordique, biathlon, hockey sur luge et curling en fauteuil roulant.

La campagne a aussi des annonces imprimées et numériques qui présentent des athlètes vedettes et prometteurs. Des échantillons pour utilisation par les médias peuvent être téléchargés au site web paralympique.ca.

Parmi les 14 athlètes en vedettes dans la campagne des annonces imprimées «Ce qui est là» il y a les athlètes de para-snowboard Michelle Salt (Calgary, Alta.) et Tyler Mosher(Whistler, C.-B.); les joueurs de hockey sur luge Dominic Larocque (Québec, Qué.) et Tyler McGregor (Forest, Ont.); les skieurs para-alpins Josh Dueck (Kimberley, C.-B.) et Kimberly Joines (Rossland, C.-B.); les skieurs para-nordiques Mark Arendz (Hartsville, Î.P.-É.), Brian McKeever (Canmore, Alta.) et le guide Erik Carleton (Canmore, Alta.); et l'équipe de curling en fauteuil roulant d'Équipe Canada de Sonja Gaudet (Vernon, C.-B., Ina Forrest(Armstrong, C.-B.), Jim Armstrong (Cambridge, Ont.), Dennis Thiessen (Sanford, Man.) etMark Ideson (London, Ont.).

«Quand nous regardons les athlètes paralympiques, nous pouvons faire l'erreur de nous concentrer sur leurs handicaps, plutôt que sur leurs extraordinaires habiletés, » ont dit Simon Craig et JP Gravina, directeurs associés de la création, BBDO Toronto. « Cette campagne force les auditeurs à voir les choses fantastiques qui font que ces athlètes paralympiques sont excellents. Les capter au cœur de la compétition est la définition d'une expérience inspirante stupéfiante.»

La campagne montre la force des athlètes d'une manière unique. En utilisant l'effet d'une boîte à lettres, la vidéo se concentre uniquement sur une portion choisie de chaque athlète d'abord. Elle ne révèle leur identité complète qu'à la toute fin de chaque scène, la preuve pour l'auditeur qu'un paralympien peut avoir une performance qui a autant d'impact qu'un athlète sans handicap.

La phrase: «Ce qui manque n'a aucune importance» décrit le besoin de voir au-delà des différences physiques pour se concentrer plutôt sur le travail acharné et le talent brut qui ces athlètes déterminés apportent à leur sport.

«L'objectif est de mettre les Canadiens au bord de leur siège et qu'ils soient excités par les prochains Jeux paralympiques, » a dit Martin Richard, directeur exécutif, communications et marketing, pour le Comité paralympique canadien. « Voir ces athlètes concourir au niveau auquel ils le font vous accrochera et nous sommes enchantés de ramener l'excitation paralympique aux Canadiens avec une couverture sans précédent grâce à nos partenaires du consortium médiatique».

Avec l'objectif de se classer parmi les trois premiers pays dans le décompte des médailles d'or, le Canada enverra environ 50 athlètes pour participer au hockey sur luge, au curling en fauteuil roulant, au ski para-nordique, au biathlon, au ski para-alpin et au para-snowboard.

Les nominations dans l'équipe paralympique canadienne sont constantes. L'équipe complète sera officiellement dévoilée à la fin de février.

REGARDEZ:
À 100 jours des Jeux paralympiques d'hiver de Sotchi 2014, le Comité paralympique canadien (CPC) a dévoilé des plans sans précédent de diffusion complètement accessible et de médias électroniques pour la couverture la plus complète jamais offerte au Canada pour des Jeux paralympiques - plus de 65 heures de diffusion, jusqu'à 350 heures de diffusion numérique et les droits gratuits pour avoir accès aux faits saillants pour les nouvelles reliant les Canadiens par les multi-plateformes. Le CPC dirigera les partenaires du consortium de diffusion paralympique en créant une couverture dans cinq plateformes de diffusion/numériques: CBC/Radio-Canada, Sportsnet, Accessible Media Inc.
(AMI), Yahoo Sports Canada et SendtoNews.

Photos 
Comité paralympique canadien/Matthew Murnaghan 

À propos de BBDO

BBDO gère les besoins en communications de certaines des plus grandes et plus réputées marques au Canada. BBDO Canada est une filiale de BBDO Worldwide, qui fait partie d'Omnicom Group Inc. (NYSE: OMC) (www.omnicomgroup.com), une entreprise globale dominante dans la publicité, le marketing et les communications corporatives.

À propos du Comité paralympique canadien

Le Comité paralympique canadien est une organisation privée sans but lucratif avec 25 organisations sportives membres consacrées à consolider le mouvement paralympique. La vision du Comité paralympique canadien est d'être le meilleur pays paralympique au monde. Sa mission est de diriger le développement d'un système sportif paralympique durable au Canada pour permettre aux athlètes de monter sur le podium aux Jeux paralympiques. En soutenant les athlètes canadiens ayant un handicap de haute performance et en faisant la promotion de leurs succès, le Comité paralympique canadienne inspire tous les Canadiens ayant un handicap pour qu'ils s'impliquent dans le sport grâce aux programmes offerts par ses organisations membres. Pour obtenir plus d'information, visitez www.paralympique.ca

-30-

Pour obtenir plus d'information, veuillez communiquer avec:

Alison Korn
Gestionnaire, relations avec les médias et communications
Comité paralympique canadien
Tél.: 613-569-4333 poste 243
Cell.: 613-298-4927  

Martin Richard
Directeur exécutif, communications et marketing
Comité paralympique canadien
Tél.: 613-569-4333 poste 224
Cell.: 613-725-4339